Amônia atmosférica

09/02/2022

Este tema tem como objetivo abordar sobre os odores causados pela atividade pecuária e especificamente, pela geração de gás amônia a partir do esterco em criadouros e tratadoras de animais de corte, como: frangos, porcos, bovinos, coelhos e outros.

A sensação do cheiro da amônia ao entrar em um destes locais identificamos o odor pungente da amônia, provavelmente já está acima dos níveis recomendados. O nariz humano não pode reconhecer a amônia até que cerca de 20 a 30 ppm tenham sido atingidas. Diretrizes de criação de animais de corte recomendam que a amônia no ambiente, seja mantida abaixo de 25 ppm. Os produtores que têm exposição constante e freqüentes as instalações ou criadouros dos animais de corte com níveis de concentrações de gás amônia, são reconhecíveis por perder a sensibilidade ao cheiro da amônia. Muitas vezes eles não podem perceber concentrações acima de 50-100 ppm. Mesmo um visitante casual em um local destes poderá se acostumar com o odor em cerca de 20 minutos e não reconhecer os efeitos adversos a saúde humana e animal, sem nenhuma prevenção e controle. 

A amônia é uma substância química invisível e tóxica produzido pela decomposição natural das fezes e da urina.
Em altas concentrações (50ppm ou +) pode ter muitos efeitos adversos, incluindo:

  • Diminuição da uniformidade das aves
  • Diminuição do rendimento geral
  • Peso reduzido
  • Maior suscetibilidade a doenças e infecções
  • Aumento das conversões de manutenções
  • Perda de renda potencial
  • Complicações de saúde para proprietários/agricultores
  • Aumento da poluição do ar
  • Ambiente de trabalho insalubre

 

De onde vem a amônia das aves?

A amônia é um subproduto natural do esterco, a minimização de sua geração e liberação deve ser mantida para a boa qualidade do ar adequada no aviário. A decomposição de compostos de nitrogênio no esterco resulta em amônia (NH 3 + ) e formação do amônio (NH 4 -). Esses dois produtos estão em equilíbrio em relação ao pH do esterco. O pH mais baixo favorecerá a forma de amônia, que não é liberada como gás (amônia), mas permanece em solução no esterco (o esterco com cama é chamado de cama em aviários). Está bem estabelecido que a diminuição do pH, umidade e temperatura da cama também diminuirá a liberação de amônia. Normalmente,apenas as duas primeiras opções, redução da umidade da cama e pH, são técnicas de manejo prontamente disponíveis, uma vez que a temperatura do galpão é ditada pelo conforto e saúde das aves. Mesmo um leve aumento de 5% na
umidade da cama e de 20 para 25%d a temperatura de 22ºC, pode resultar em um aumento de 140% na liberação de gás amônia.

Como monitorar a amônia?

Felizmente, instrumentos fáceis de usar estão disponíveis para medir o nível de amônia em ambientes como os de criadouros de animais de corte. Esses instrumentos para verificações pontuais ou compartilhamento com produtores podem solucionar problemas de um sistema de controle ambiental de aviários e outros quaisquer locais onde a vida animal está presente.

Obtendo uma boa medição

Onde está a amônia? Embora a amônia (NH3) seja mais leve que o ar (composta por aproximadamente 80% de nitrogênio, (N2), o nível de amônia normalmente será mais alto próximo ao nível das aves, principalmente para as aves criadas no chão, do que no nível da cabeça humana em galpões de aves. Isso ocorre devido à diluição da amônia da troca de ar do sistema de ventilação, reconhecendo que o nível de amônia próximo à sua fonte, o esterco, se acumulará. Isso é importante, pois as aves criadas no chão estão expostas a níveis mais altos de amônia do que os cuidadores humanos. Isso requer que a amônia seja medida no nível das aves para documentar as condições sob as quais elas vivem. Manter a amônia  baixo de 25 ppm é uma meta de saúde para os animais.

Os Detectores de gás amônia GSA 10F da Confor são excelentes para o controle da amônia em ambientes onde a presença da amônia é prejudicial a vida animal. O Detector GSA 10F foi especialmente projetado para ser instalado em áreas de criação de aves, coelhos, porcos, biotério e onde permanecem as exposições altas e prolongadas ao gás amônia (NH3). O detector fornece alarme sonoro e visual no local da concentração do gás com saída relé para acionamento de comandos auxiliares, como: ventilação, aviso de alarme á distância e outros comandos. Seu sensor protegido contra aspersão de água e poeira, custos de manutenção baixos ao longo de sua
vida útil estimada de 3 anos. Seu projeto estrutural também leva em conta as condições especiais deste tipo de instalação, facilitando a instalação suspensa acima de bebedouros, comedouros e, em particular, acima uma área que atinge a melhor cobertura do sistema e eficácia de detecção.

O uso independente ou com a Central de Monitoramento CAX, podem ser conectados até 16 detectores e podem ser localizados sobre bebedouros, comedouros, camas e outros locais onde há a presença do gás amônia. Detectado o nível de amônia o detector irá alarmar; a ventilação local poderá ser acionada até que os níveis aceitáveis voltem; avisar em alarme sonoro e visual o local da concentração do gás, para tomadas de prevenção.