Controle de oxigênio na combustão

01/06/2020

Toda combustão requer a medida correta de oxigênio; muito ou pouco pode causar efeitos indesejáveis. No entanto, o erro ocorre quase sempre intencionalmente no lado mais alto (excesso de oxigênio) porque o principal efeito do lado alto é a baixa eficiência. Pouco ar resulta em formação de monóxido de carbono, fuligem, etc. Se a fuligem na chaminé acumulada, não queimada de repente receber o oxigênio, é o suficiente para queimar rapidamente e provocar até explosão.

Quando os queimadores de caldeiras são regulados manualmente, eles geralmente são ajustados para cerca de 3% de oxigênio em excesso, que é cerca de 15% de excesso de ar. Isso ocorre porque existem muitas condições ambientais e atmosféricas que podem afetar o suprimento de oxigênio/ar. Tomamos por exemplo, o Ar mais frio é mais denso e contém mais oxigênio que o ar quente; a velocidade do ar também afeta diretamente a chaminé; e a pressão barométrica afeta ainda mais o calado da caldeira. Portanto, uma configuração de excesso de oxigênio/ar no momento da regulagem pressupõe que ainda haverá oxigênio suficientemente disponível para a combustão completa quando as condições piorarem.

Do ponto de vista da eficiência, o excesso de O2 significa que há mais ar no fluxo de combustão do que o necessário. Esse ar também contém umidade, e tudo é aquecido e depois perdido pela chaminé. A quantidade de excesso de O2 é aproximadamente proporcional á eficiência perdida; isto é, Excesso de 3% de O2 significa queda de Eficiência de 3%.

Embora possa ser possível monitorar e ajustar o queimador diariamente, isso não é prático. Sistemas automáticos de monitoramento de O2 (se instalados) podem monitorar continuamente os gases de combustão e podem ajustar o suprimento de ar para o queimador.

Veja mais no informativo abaixo